9 de dez de 2012

The Only Exception capitulo 11 - O garotinho.



"Você nunca esquece seu primeiro amor."

Annalu On

Logo que cheguei em casa fui direto para meu quarto, precisava de um banho pois o forte calor de San Antonio havia aparecido hoje.

Depois do meu relaxante e demorado banho desci e encontrei Robert na cozinha tentando fazer comida congelada virar nosso almoço, nada estava dando certo então resolvi o ajudar.
Durante o almoço ele me perguntava como tinha ido meu dia.
Robert – gostou da escola?
- é um ótimo lugar. – falei sem o fitar
Robert – fez amigas? – ele falou remexendo seu macarrão instantâneo, eu levantei meu olhar para ele e disse.
- Sim, Emma Calist e Melinda Goulart. – quando pronunciei o nome de Emma Robert automaticamente cuspiu que continha na boca e logo soltou.
Robert – Emma Calist?
- foi o que disse.
Robert – não acredito que virou amiga daquela garota irritante.
- qual o problema ela foi mais simpática que a loira siliconada.
Robert – Gabriella?
- essa mesma, a menina mal me conhece e já me ameaça. – falei um pouco aflita
Robert – Bem vinda as escola publicas priminha. – ele falou brincalhão
- não tem nada de engraçado nisso seu idiota.
Robert – não para você.
Nosso almoço foi assim cheio de assuntos sobre meu primeiro dia na escola.

Quando terminamos de almoçar me ofereci para lavar a louça já que Robert disse que iria a casa de Austin, ele ate me convidou mas arrumei logo a desculpa que tinha coisas pra fazer, bom eu realmente tinha, eu iria sair com Emma e Melinda a tarde.
Acabei de lavar a louça e fui me arrumar e descansar um pouco para esperar as meninas, assim fiz, tomei banho, troquei de roupa e fui pra sala descansar,deitei no sofá e liguei a tv,meus olhos começam a pesar até que adormeço.
- Annalu, Annalu, ANNALU!
Abri meus olhos lentamente e disse ainda sonolenta – o que é?
Emma – pronta pra ir?
Annalu – ir aonde?
Melinda – às compras né bobinha?! Kkk vamos – disse ela me puxando com a ajuda de Emma
Annalu – to indo, to indo – disse me sentando no sofá.
Emma - tava sonhando com o que?
Annalu – hã?
Melinda – também quero saber... Com o que estava sonhando?
Annalu – se levantando o mais rápido possível e indo a direção à porta pra tentar fugir do assunto. ~ eu não posso dizer que sonhei com o Austin, seria estranho, o que eu faço? ~ pensei – ah, com uma coisa sem importância,bem estranh...a – disse olhando para as meninas que estavam um pouco atrás de mim e detalhe: estava nervosa então nem sabia onde pisava,quando percebo que quase caio mais alguém havia me segurado...isso mesmo, meu anjo da guarda Austin, o protagonistas dos meus sonhos de uns dias pra cá havia me salvado novamente.
Nós ficamos cara a cara, nos encarando até Alex perguntar – você ta bem?
Annalu – ah...to sim –disse saindo dos braços de Austin. O mesmo ainda me olhava sem dizer nada.
Melinda – vocês tão indo pra onde?
Alex – ah íamos dar uma volta por ai.
Melinda – nós estamos indo pro Shopping... Porque vocês não vêm também?
Alex – seria uma boa.
Robert e Emma – NÃO!
- o que houve?? – falei fitando os dois.
Robert – não vou com essa chata. – falou apontando pra Emma
Emma – Eu chata? Você que é um prepotente arrogante.

Austin On

Pois é achei estranho isso, sempre soube que eles se odiavam mas tanto assim é de mais. Logo meus pensamentos foram interrompido por um grito.
Annalu – Eii chega de briga –ela falou em um tom superior ao deles – logo começou uma pequena “discussão” já estava chato então decidi interromper
- Então esta certo vamos todos ao Shopping – logo segui em direção a porta, mas ouço um barulho é era ela novamente o menina desastrada ela havia dado de cara na porta de vidro
– Você esta bem? Esta doendo muito?  -  eu disse acariciando sua testa, a mesma falou algo que eu não escutei
- como eu não entendi? - Perguntei confuso para a mesma.
- Não esta doendo muito, obrigada. - Ela falou levantando.
 Annalu – Então pessoal sem condições de eu ir, pelo menos não com essa testa desse jeito esta horrível eu acho que vou tomar um remédio e ficar por aqui mesmo.
Emma – Não tudo bem eu fico com você, já não estava muito a fim de ir mesmo – ela disse encarando o Robert o mesmo a ignorou.
Annalu – Imagina se eu vou estragar o dia de vocês eu vou fica bem é sério – Não estou acreditando ela não vai ir eu preciso fazer alguma coisa a gente não conversou depois do beijo que dei nela, Austin se ta louco é? Para de pensar na garota por um impulso me intrometo na conversa
– Não, vamos fazer o seguinte eu fico com a Annalu e vocês vão eu não estou a fim de sair pode ser? -  Falei arqueando minhas sobrancelhas
Annalu – Imagina eu não quero incomodar ninguém eu já dis.. - Fui interrompendo a mesma
 – eu já disse que eu fico com você e pronto ok? A mesma não tinha escolha até por que eu iria ficar de qualquer jeito apenas assentiu com a cabeça, logo todos haviam saído de casa estávamos apenas nós sozinhos era tão estranho estar perto dela é como se eu conhecesse a muito tempo me sentia bem ao seu lado  ela estava me viciando era uma completa droga para mim.

Annalu On

Bom Austin decidiu ficar comigo eu não tinha escolha e então apenas assenti com a cabeça, todos haviam saído estávamos lá parados um olhando para a cara do outro isso era constrangedor, mas o fato de saber que ele estava aqui me deixava tão bem, tão segura fui interrompida de meus pensamentos por uma voz tão doce e seduzente era ele.
Austin – Ei isso está inchado é melhor você tomar algum remédio vem vamos lá – o mesmo me levava até a porta a onde ele estava me levando?
 - Ei a onde estamos indo? - Perguntei confusa
Austin – Até a minha casa, para você tomar algum remédio, vem logo! - Ele disse me puxando, mas eu o interrompi.
- Austin eu tenho remédio aqui não precisamos ir até a sua casa – falei e pude sentir uma pontinha de decepção.
Austin – Ok eu só queria ajudar – ele falou olhando para seus pés, a droga me senti mal agora cara ele só queria ajudar.
- Não tudo bem eu agradeço vem vamos até a cozinha lá deve ter alguma coisa – enquanto tomava um calmante para dor o mesmo vinha até minha direção com um saco de gelo logo depositou em minha testa não pude conter o grito
- AA nossa gelado isso!  - Falei assustando o mesmo com o meu grito
Austin- ah me desculpe mas é para o seu bem, ou você prefere ficar com essa bolota (cara que palavra mais idiota) na cabeça – ele falou me olhando com um leve sorrisinho no canto de sua boca não pude me conter e dei uma gargalhada
- A claro que não né ok pode colocar então – então ele continuou com o gelo na minha testa eu não conseguia olha diretamente em seus olhos por que eu sabia se eu o encarasse não iria me conter era tão estranho eu não poderia estar me apaixonando não por ele, mas espera por que não ele é livre e desimpedido e eu também que é isso meu deus será que da pra mim para de pensar nessas coisas eu devo estar surtando essa pancada na cabeça me afetou não sou eu que estou pensando essas coisas logo ele me interrompe.
Austin -  Então  no que esta pensando? -  Cara pra que se que saber eu pensei?
- a nada de mais besteira, então o que vamos fazer? já que eu não vamos mais sair – perguntei para ele para disfarçar.
Austin – Eu não sei ... A me mostra seu quarto – ele logo disse e eu fiquei tipo O_o eu que bato a cabeça e ele que fala besteira.
- Meu quarto? Ok então vamos lá – Não me perguntem por que eu disse isso eu também não sei ¬¬
Nos dirigimos até meu quarto bom ele estava bem arrumado por que eu tinha chegado a pouco sorte minha né meu quarto era comum uma cama de casal, uma penteadeira, parede lilás, um armário e na parede um painel com fotos minhas e de meus amigos. Austin fitava tudo atento, ele logo andou ate o painel de fotos e falou.
Austin – quem são?
- meus amigos do Brasil, e algumas fotos de família.
Austin soltou um gargalhada gostosa e disse.
Austin – acho que conheço esse garoto gordinho aqui.
- Onde? – falei me aproximando dele
Austin – esse – ele apronto para um foto minha e Robert quando crianças.
- é o Robert, o adorável e chato Robert. – eu ri me lembrando bem do dia que a foto foi tirada.

Flashback On

- Robert devolve minha boneca. – eu falava enquanto corria atrás do mesmo pelo jardim da casa dele.
Logo o mesmo subiu na sua casa da arvore me deixando lá em baixo, logo inúmeras lagrimas corriam meu rosto sentei-me no gramado abaixo da arvore e pus-me a chorar, com a cara entre os braços cruzados sobre os joelhos, ali fiquei ate sentir alguém sentar ao meu lado, uma pequena mão tocou meus cabelos e um voz de menino falou.
xXx- você está bem?
Eu levantei minha cabeça e vi um garoto com cabelos castanhos claros, olhos verdes intensos e com um sorriso largo nos lábios, eu seguei algumas lagrimas e comecei a falar com a voz ainda um pouco chorosa.
- Robert roubou minha boneca, minha boneca preferida.
XxXx- hey não chore Rob é mesmo um bobo, vem vamos, eu acho que vamos tirar algumas fotos com o aniversariante se ele descer da arvore é claro. – ele levantou me estendendo a mão, eu aceitei, e lá fomos nós a onde a festa de 9 anos de Robert ocorria.

[...]

- Sorriam crianças – disse tia Mandy, logo o aglomerado de crianças fez o que ela pediu, antes da mesma tirar a foto senti uma mão entrelaçar na minha e olhei para o lado e vi o mesmo menino que me fizera sentir-me bem. Logo um flash se deu a foto havia sido tirada, eu e o garoto saímos se olhando e com as mãos entrelaçadas.

Flashback off

- hey annalu quem essa garota? Annalu, Annalu – balancei minhas cabeça me desfazendo das lembranças e dei atenção a Austin que me perguntava algo.
- ai me desculpe estava detraída.
Austin – tudo bem, mas bem quem é essa garota. – ele apontou para mim ao lado do garoto com a mão entrelaçada na mão do mesmo.
- sou eu. – falei pegando a foto do mural e sentando na cama.
Austin – Como?? – ele falou surpreso me seguindo e sentando ao meu lado.]
- eu disse que essa garotinha sou eu.
Austin – você sabe quem é esse garoto ao seu lado na foto?
- não nunca soube o nome dele.
Austin – o nome dele é Austin.
- Como? – perguntei espantada eu havia mesmo escutado Austin?
Austin – esse garotinho sou eu.
Ele não tinha falado que aquele garotinho era ele né? Eu estava escutando para mais, não podia ser verdade ou podia?

Continua>>>

Oi gatinhas desculpa a demora tinha esquecido que não tinha postado aqui ahsahshas'.










27 de nov de 2012

The Only Excepition capitulo 10 - Sonhos ou bizarrice? Não é amor


"Quero sentir, verdadeiramente as coisas."


Sentir os lábios de Austin foi uma sensação única...ainda não consigo acreditar... foi tudo tão rápido...coloquei as mãos nos meus lábios que ainda sentia o gosto doce, fechei meus olhos e comecei a me lembrar da cena do beijo e o jeito que ele saiu correndo sem olhar pra trás parecia bem nervoso e confuso...
- vai ficar parada ai mocinha? Sua aula já começou, entra. – ouvi uma voz groça a minha frente o que me fez “voltar pra realidade” eu então, olho surpresa para o homem alto a minha frente, tirando minha mão da boca, a olho, volto o meu olhar pra ele que me olhava sério e solto umas risadinhas tentando desfazer aquela situação e digo: - rsrsrs vou entrar- digo apontando para a porta olhando pra ele enquanto entro com um sorriso meio forçado,entro na sala,me encosto na porta os olhos esquecendo que já estava dentro da sala dou um suspiro abrindo o olho em seguida,me deparando com todos os alunos e o professor encarados me olhando.
- você é a aluna nova? Annalu? – disse o professor se aproximando de mim
- sim,sou eu...me desculpe pelo atraso – respondo com a cabeça baixa
- trouxe a autorização?
- sim...- disse abrindo a mochila e pegando o documento,ele o analisou olhou pra mim e disse:
- bom, ta tudo certo.Vá se sentar e não chegue mais atrasada na minha aula.
Eu concordei me virando para a classe a procura de um lugar quando escuto uma voz bem no canto que dizia assim: - aqui Annalu – eu então segui a voz me deparando com Robert sorrinho e apontando pra cadeira, vou até ele e me sento ao seu lado,o mesmo me olha e pergunta:
Robert – ta tudo bem?
Annalu – tá...porque não estaria?
Robert – você ta estranha...alguma coisa aconteceu? Foi a Gabriella? Porque se foi não...
Annalu – {dando algumas risadinhas para despistar} – eu estranha? Não aconteceu nada.
Robert – nem com a Gabriella?
Annalu – nem com a Gabriella.
A aula foi tranquila, conheci Melinda, uma garota que como eu ama ler, ela é legal, e bom vamos fazer um trabalho de geografia juntas.
Também descobri que Emma estuda aqui e que ela é amiga da Melinda. Emma me convidou para sairmos, bom eu aceitei, ela disse passaria em minha casa mais tarde para o tal passeio.

[...]

O 1° dia de aula finalmente acabou eu e os meninos estávamos a caminho de casa, Robert e Alex conversavam animadamente menos eu e Austin...nós estávamos inquietos, não rimos de nenhuma gracinha que Alex fazia...não falávamos nada, apenas andávamos cabisbaixos, eu olhava de canto de olho para Austin a maioria das vezes mais ele continuava cabisbaixo, não me olhava e eu pensava: “meu Deus...será que fiz algo errado? Porque ele está assim? Tão pensativo...tão distante...tão sério...”
Para dizer a verdade estava com medo, com medo de o olhar nos olhos e não ver mais o seu sorriso, então, não o olhava diretamente e também não puxava assunto...eu não estava entendendo nada...será que talvez...seja pelo que aconteceu hoje? Tinha feito algo?
Fui tirada dos meus pensamentos por Alex...quando ele tinha aparecido em minha frente?
O mesmo para Austin também, nos olha e pergunta:
Alex - o que aconteceu com vocês? Annalu porque não ta rindo das minhas gracinhas? Quero muito te ver sorrir...e Austin, porque está assim tão calado, tão sério? Você não é assim cara.
- comigo não aconteceu nada – respondi e em seguida olhei pra Austin que respondeu
Austin - nada não cara – e em seguida empurra Alex e Robert e saiu andando na frente.

Austin on

A sensação do toque dos lábios macio dela não sai dos meus...aquela cena do olhar surpreso dela quando finalmente tive coragem de beijá-la vagava pela minha mente...”Mais o que estava havendo comigo?” “Porque não conseguia olhar em seus olhos? “ “Porque será que estou me sentindo estranho?“ será que eu estava apaixonado, ou era apenas atração física pela nova garota da escola, eu não entendia mais nada.

Eu andei mais à frente deles, assim chegando mais rápido em minha casa, nem mesmo me despedi deles, logo que entrei em casa foi atacado por minha mãe me enchendo de beijos, eu soltei alguns sorriso e subi pra o quarto alegando que tinha muita lição de casa ~Beeee mentindo Austin que feio~ .
Minha mãe nada falou.

Fiquei em meu quarto ate adormecer...

[...]

O que acha que esta fazendo? – eu perguntava a Annalu que corria feito uma maluca pelo jardim, ela parou de correr e me olhou, sorriu tímida e disse.
Annalu – venha junte-se a minha brincadeira idiota. – sem notar já estava junto dela, eu corria atrás da mesma, ela ria feito uma criança, fazendo-me gargalhar.
Logo a alcancei e abracei pela cintura, nos desequilibramos e no minuto seguinte estávamos no chão, eu por cima dela, eu a fitava e um leve sorriso saiu de sua boca logo se transformando em uma gostosa risada, eu a acompanhei. Eu fitava aqueles intensos olhos verdes enquanto ainda estávamos naquela situação, logo parei de rir e me aproximei dos lábios dela, e um calmo beijo se formasse, logo foi se tornando intenso. Suas pequenas mãos subiram ate meus cabelos os alisando, enquanto minhas mãos se arrastavam pelas curvas de seu corpo tão pequeno. Em minutos só estávamos de roupas intimas, e em menos de um minuto já sentia que estava dentro dela, aquilo era bizarro e ao mesmo tempo excitante, estávamos em pleno jardim fazendo amor, porque transar não era apalavra certa a ser usada, pois nós nos amávamos não é?
Os baixos gemidos eram mais que amados por mim, ela falava meu nome como se aquilo fosse a sua palavra preferida, e em um tom me deixava mais “vivo”, logo um pequeno sussurro saiu diferente de sua boca.
Annalu – Austin eu te a...

[...]

- Levanta bunda mole. – escutei um voz falar perto de meu ouvido, melhor dizendo gritar perto de meu ouvido, abri meus olhos lentamente ainda um pouco sonolento quando eles se focalizaram pude ver Robert e Alex. Os dois me olhavam como se perguntassem “ta bem?” Logo os questionei.
- Tenho algo de errado?
Alex – pergunta por amiguinho ai. – ele falou apontando para o meu membro, eu voltei meu lugar para o mesmo e notei que o mesmo estava digamos que “vivo”, e logo as lembranças me vieram à cabeça, annalu + jardim + fazer amor = a sonho, então aquele momento mágico havia sido apenas um sonho, droga.
Fui tirado dos meus devaneios por Robert.
Robert – anda vendo muito filme para maiores para 18 e depois fica sonhando sacanagem. – os dois riram.
- cala a boca Robert, ate parece que isso nunca aconteceu com vocês seus idiotas. – falei levantando e indo em direção do banheiro precisava de um banho.

continua>>

Gatinhas desculpa a demora, tava sem ideia pro capitulo, mas a Vah como é uma linda sempre me ajuda, obrigada sua liamda te amo ♥
Continuo com 5 comentarios, ah obrigada a liamda que cometaram no capitulo anterios, obg pelo carinho  ^.^


23 de nov de 2012

The Only Exception capitulo 9 - Um beijo roubado...



 "O amor é como o vento, não posso ver, mas posso sentir!"

Annalu On
A ida ao colégio foi estranha, apenas Robert e Alex conversavam,  Austin parecia longe, parecia preocupado,  eu às vezes ria de algumas bobagens que eles falavam, mas nada mais que isso.
Quando chegamos ao colégio Robert disse que deveria me levar ate a sala da diretoria para eu receber o horário de minhas aulas e a autorização para entrar nas aulas.
Já na diretoria eu e Robert falamos com uma senhora de óculos com sorriso simpático, ela me entregou os horários das aulas e a autorização.
Mary – Querida a sua primeira aula é de Biologia Pratica, quer que eu a leve até a sala?
Robert – Não Srt.Clark Austin e Alex a ajudaram pois eles tem essa mesma aula, obrigada. – ele falou sorrindo para a senhora, a mesma assentiu e então eu e ele saímos da diretoria e percorremos um enorme corredor, muitos adolescentes preenchiam o mesmo, uns mexiam em seus armários, outros conversavam sobre coisas de jovens, festas ou o que fizeram o verão todo, eu caminhava ao lado de Robert um pouco distraída com o horário das aulas quando de repente esbarro em alguém, dou alguns passos para trás, logo sinto mãos me segurando, viro-me e vejo Austin ele sorri e pergunta.
Austin – está bem?
Não tive tempo de responder logo ouvi uma voz nasalada e um pouco irritante falar.
XxXx- olhe por onde anda sua idiota. – me virei na direção da voz e vi uma garota loira, a única coisa de bonito nela era seus longos cabelos dourados, a menina era alta, com visíveis silicones, achei estranho aquilo, pois ela devia ter minha idade, seu corpo tinha imperceptíveis curvas, podia-se dizer que ela ainda estava passando pela puberdade. Ela me olhava com um olhar superior, como se me achasse insignificante, logo ouvi Austin falar.
Austin – Ei Gabriella você podia ser mais simpática, ela não fez por querer, né Annalu? – ele sorriu para mim.
- claro Austin. – respondi sem desgrudar os meus olhos dos dele
Gabriella – você conhece essa ai gato?
Austin – essa ai não, o nome dela é Annalu.
Gabriella – tanto faz. – ela saiu rebolando i tive uma imensa impressão de que sua bunda cairia sim eu sou do mal (kkkk).
Eu fiquei observando ela sumir em meio aquela multidão junto com mais duas meninas loiras. Logo ouvi Austin falar.
Austin – Gabriella Donne a patricinha mais irritante do colégio, também vadias nas horas vagas- ele falou enquanto soltava alguns risinhos, virei – me enquanto encontrei Austin com um lindo sorriso nos lábios e uma imensa vontade de beijá-lo invadiu meu ser, aqueles lindos olhos verdes me observando eram como imãs me puxando até ele logo sacudi minha cabeça a fim de me desfazer de meus pensamentos. O som de uma voz vez me virar na direção contraria de Austin então vi Alex ele corria em minha direção tão rápido que notei que ele não conseguiria parar e não havia tempo de me mexer então percebi que estava no chão com um peso sobre mim, Alex, abri meus olhos e o mesmo me fitava sorrindo sorri em resposta e logo falei.
- O que andou comendo nesses últimos dias hein? –Falei entre risos, ele sorriu, logo senti Alex ser puxando de cima de mim, quando já estava em pé vi Austin com uma cara de poucos amigos, ele olhava para Austin visivelmente bravo, o que será que aconteceu?

[...]

O sinal tocou então Alex perguntou.
Alex – qual sua primeira aula Annalu?
- Biologia Pratica. – falei olhando em meu horário, e logo voltei a fitar os dois garotos a minha frente, os dois sorriam e logo Austin falou.
Austin – eu também tenho, vem eu te mostro a sala. – ele falou me puxando pela mão, sentir o toque de sua pele sobre a minha fez nascer arrepios, um tímido sorriso apareceu em meu rosto. Eu devia estar parecendo uma idiota com aquele sorriso.

Logo já estávamos em frente a uma porta, Austin me puxou para dentro da sala, me levando ate duas cadeiras vazias, ele sentou-se e falou.
Austin – se quiser pode sentar aqui. – eu sorri e sentei ao seu lado. Todos da sala me olhavam o que ficava meio incomodo às vezes, eu apenas abaixava minha cabeça e rabiscava coisas idiotas em meu caderno, logo senti Austin me cutucar eu o olhei e o mesmo falou.
Austin – o professor está falando com você. – eu olhei para frente e encontre um homem alto, com pouca barba que usava uma calça jeans e uma camisa social, ele me fitava e logo falou.
Professor – Você é a Senhorita Annalu suponho?
- Sim, sou eu.
Professor – bom eu sou Sr.Brown e sou professor de Biologia Pratica, você trouxe a permissão?
Annalu – aqui. – disse entregando o papel ao mesmo, ele deu uma analisada e me pediu para ir a frente dizendo:
- turma, essa daqui é Annalu Brugmann ela vai estar com agente a partir de hoje.
Os olhares das pessoas naquela sala voltaram outra vez pra mim mais dessa vez mais pessoas me olhavam, algumas até pareciam estar me observando eu continuei olhando pra baixo até o professor me mandar sentar.
A hora do intervalo chegou, eu fui com os meninos pra fila pegar o almoço, quando finalmente chegou minha vez o meu celular toca, era uma mensagem, então começo a andar detraída com os olhos no celular e com a bandeja em uma das mãos, de repente sinto-me ir de encontro ao chão, tinha escorregado, esse meu ato fez com que a bandeja voasse quando de repente escuto um grito estridente e dramático em minha frente...sim, havia acertado alguém, então olho pra cima assustada me deparando com três olhares reprovadores sobre mim e a garota no meio estava quase dando um ataque, ela tava toda suja de espaguete que havia acertado a roupa e um pedaço do cabelo da loira, me levantei o mais depressa possível pedindo desculpa desesperadamente e tentando arrumar aquela situação, mas não teve jeito a menina que antes gritava agora me insultava:
Gabriella – você sempre atravessando meu caminho e sempre no mundo da lua novata idiota.
Annalu – mil perdões... Gabriella? – disse tentando limpar
Gabriella – desencosta novata podre. A partir de hoje está com grandes problemas! – disse tirando minhas mãos de seus cabelos.
Quando de repente sinto uma mão segurar o meu ombro dizendo: - Ei, pega leve Gabriela, ela já pediu desculpas. - Era Austin... Era incrível como sempre estava ali quando precisava e sempre me defendia de tudo, era como um anjo, meu ajo da guarda-pensei ao avistá-lo, fui tirada dos meus pensamentos por uma voz brava: - vai ficar defendendo ela Austin?! Olha como estou por culpa dessa coisa!
Austin – ela não fez por querer Gabriella.- disse olhando dentro dos meus olhos que agora com certeza brilhavam naquele momento
Gabriella – claro que fez! Ela não foi com minha cara e agora quer se vingar...
- isso não é verdade! –Disse entrando na conversa – já pedi desculpas!
- e você acha que suas desculpas valem alguma coisa? Está avisada, toma cuidado a partir de hoje Brugmann...você mexeu com a pessoa errada. – disse saindo empurrando o resto dos alunos que olhavam aquilo perplexos.
– o que será de mim agora? – disse me virando pra Austin
Austin – kkkk não se preocupe ela não vai te fazer mal.
– como você pode ter tanta certeza? Ela parecia estar falando sério...
Austin – mais ela não vai...até porque eu não vou deixar – disse olhando em meus olhos e colocando uma mexa de meu cabelo atrás da orelha. Me estremeci toda, porque isso sempre acontecia quando ele estava por perto? Ele foi se aproximando e quando estávamos prestes a nos beijarmos o sinal toca {:/} nos “despertando” e rimos desajeitados. Ainda estávamos bem próximos quando olho nos seus olhos novamente e digo: - obrigada. 
Austin – de nada. Que aula tem agora?
- bom vejamos. – olhei meu horário e logo falei. – Literatura Inglesa.
Austin – bom eu não tenho essa aula agora, mas Robert tem, bom quer que eu te ajude a achar a sala?
- isso não fará você se atrasar para sua aula Austin.
Austin – tenho educação física, ser capitão do time de basquete as vezes tem suas vantagens. – ele sorriu. Oh meu deus eu acho que esqueci como se respira...


[...]

- Bom é aqui - falou Austin quando paramos em frente a uma porta,
- Obrigada Austin. – eu falei sorrindo, e logo pondo a mão na maçaneta quando ia abrir a porta ele segurou meu braço fazendo me virar para ele, logo senti seus lábios contra os meus, e na mesma velocidade que o beijo foi formado ele se desfez, e um Austin nervoso e apressado saiu correndo pelo corredor.
Ele havia me roubando um selinho. Oh meu deus. 

Continua>>>

Ei ai oque acharam??
Comentem.
Continuo com 5 comentarios.
Desculpa a demora...


15 de nov de 2012

The Only Excepition capitulo 8 - Apaixonados



"Eu sei que ela é a unica pessoa nesse mundo que vai me fazer feliz."

“Uma bela casa, uma cozinha desconhecida, eu com uma pequena menina no colo, ela tinha lindos olhos verdes, incrivelmente brilhantes, a mesma tinha o cabelo castanho não muito comprido um pouco abaixo dos ombros, ela me olhava e sorria, eu devolvia um sorriso na mesma intensidade, mas quando um palavra saiu de sua boca meu subconsciente ficou surpreso, mas meu corpo parecia aceitar aquilo.
-mamãe – chamou-me ela, ouvi-me a responder, mas meus pensamentos não pareciam aceitar aquilo.
- sim minha pequena?
- papai vai demorar a chegar? – quando meu subconsciente ouviu aquilo ele praticamente gritou, mas som algum saiu de minha boca que se parecesse com o que minha mente fazia, eu apenas me sentia presa no meu próprio corpo, um pouco estranho devo admitir. Logo me ouvi respondendo a pequena menina.
- não querida, daqui a pouco ele estará aqui para brincar com você.
Ela sorriu e me abraçou dizendo.
- te amo mamãe. – ela me chamando assim era estranho, como eu uma garota de 15 anos podia ser mãe, era assustador pensar nessa hipótese, logo uma voz soou pela casa, fazendo a pequena menina sair de meus braços rapidamente e correr para fora da cozinha, segundos depois ele, Austin apareceu com a pequena criança no colo, ele brincava com ela, logo que ele chegou perto de mim selou-me e disse.
- oi minha linda. – meu corpo outra respondeu normalmente enquanto meu subconsciente continuava surpreso com tudo.
- oi querido, como foi hoje no trabalho?
- tranquilo como sempre, e você pequena o que fez o dia todo? – ele falou tocando a ponta do nariz da menina, a pequena sorriu e falou.
- eu brinquei, e ajudei a mamãe, Papai. – então eu e Austin estávamos casados, como assim? A poucos minutos eu tinha 15 anos, morava na casa de minha tia e mal o conhecia, o que está acontecendo? Isso está estranho, estou confusa, o que aconteceu?”

Levantei-me da cama assustada tudo não passava de um sonho, um tanto quanto real, eu devo estar ficando louca, imaginando eu e Austin casados já passou dos limites, eu o conheço a menos de 24 horas, o que está acontecendo?
Não havia amanhecido ainda, olhei para o relógio de meu celular e marcava 4:20 da manha, eu deitei minha cabeça no travesseiro e fitei o teto e soltei um longo suspiro, logo levantando da cama e andando ate a porta, desci as escadas e fui em direção da cozinha, eu precisava de um copo d’água.
Abri a porta da geladeira e peguei a jará cheia de água, e peguei um copo, e logo comecei a por a água dentro do mesmo. Meus pensamentos continuavam no sonho, eu ainda achava aquilo muito estranho, como eu podia estar sonhando com ele, nunca havia passado por isso, eu estava muito confusa.

Austin On

Seus olhos, seu cheiro, sua voz, não saiam de minha cabeça, a lembrança dela me olhando quando caímos era nítida em minha mente, à vontade de vê-la novamente era enorme, dormir era um coisa quase impossível já que meu corpo e minha mente só que riam ela.
Já se passava das 3 da manha, e não havia dormido nada, tenho certeza que amanha vou parecer um zumbi ambulante, mas eu não conseguia fechar os olhos, eu só conseguia pensar nela.

“– tava sujo.
Annalu - o que tava sujo?
- sua boca.”

Minha vontade de beijá-la nesse momento foi muito forte, mas me controlei, assustá-la era o que eu menos desejava.
Logo adormeci pensando nela...

[...]

Pí...pí...pí... Um barulho irritante acabou com o silencio de meu quarto, eu abri meus olhos sonolento e vi o radio relógio que marcava 8:00, - hora de acordar - pensei, hoje começariam as aulas, em parte eu estava feliz, mas em outra eu estava um pouco desanimado e com sono, pela noite mal dormida, mas minha preguiça sumiu quando lembrei que veria ela, Annalu iria estudar na mesma escola que eu, involuntariamente um sorriso brotou em meu lábios, balancei a cabeça afim de me desfazer desse pensamentos e andei ate o banheiro.
Chegando ao mesmo me olhei no espelho e notei meus olhos um pouco avermelhados e inchados, se minha mãe me visse assim logo pensaria que eu estou usando drogas, ri de meu pensamento e logo em seguida jogando água sobre o meu rosto, escovei meus dentes e logo me despi e tomei um banho, não preciso dizer que durante o banho pensei nela, está virando mania pensar nela, mas tenho que admitir que essa mania me agrada, mas as vezes é sufocante, pois não posso tocá-la e nem tê-la pra mim, mas tenho esperança que um dia eu vou tê-la.

[...]

Sai do banho enrolado em uma toalha, e fui em busca de uma roupa confortável, logo a vesti, quando estava arrumando meu cabelo ouço um batida na porta.
- entre. – falei, logo a porta de abriu e vi a imagem de minha mãe ela sorriu e falou.
Michelle - como está lindo o meu menino, alguma coisa em especial terá hoje na escola?
- não Mãe, porque teria?
Michelle – está todo bonito e cheiroso. – ela falou sorrindo, eu olhei para os meus pés colocando as mãos no bolso e fiquei em silencio, logo ouvi ela falar. – alguma garota nessa historia Austin?
- que que i-isso mãe, não tem garota nenhuma. – eu falei coçando a nuca e desviando o olhar dela, não conseguia mentir olhando nos olhos dela, bom eu ate tentei, mas ela me conhece bem ela apenas falou.
Michelle - tudo bem se não quer me contar, eu entendo, mas bem eu vim aqui porque Alex, Robert e uma garota muito bonita estão te esperando lá em baixo.
- Annalu. – sussurrei e sorri.
Michelle – falou algo Austin?
- não nada mãe, estou descendo, beijo mãe te amo. – falei beijando a bochecha dela.
Michelle – bom aula meu filho.
Sai do quarto e desci as escadas um pouco apressado encontrei Robert e Alex no fim da escadas e ela estava olhando alguns porta retratos na parede da sala, ela estava linda, seu cabelo estava solto, ela era usava uma roupa curta, logo Robert a chamou, e quando ela se virou, e nosso olhos se encontraram não pude evitar de sorrir, ela é linda, vi a mesma abaixar a cabeça e falar quase sussurrando.
Annalu – bom dia Austin.
- Bo-bom dia Annalu. – droga eu gaguejei ela vai pensar que sou um idiota, eu fiquei a fitando ate ouvir Alex falar.
Alex – então...Vamos?
- Claro – falou Robert. – Vamos annalu. – ele acrescentou logo depois, eu fiquei ali parado ate ouvi a voz de Alex.
Alex – você vem cara?
- estou indo. – falei andando ate eles que me esperavam do lado de fora da casa já.
Nosso caminho ate a escola foi normal, apenas Alex e Robert falavam, eu as vezes concordava com o que eles falavam, as vezes ouvi ela rir do que Alex falava, mas nada a mais do que isso.
Quando chegamos no colégio Robert levou Annalu ate a sala da direção, ela precisava dos horários e da autorização para entrar nas aulas.
Eu e Alex ficamos sentando em um banco no pátio, varias garotas nos fitavam, logo vejo ela, a garota mais chata do colégio vindo em minha direção, ela parou na minha frente falou com sua voz nasalada e irritante.
Gabriella – Oi Austin.
- oi vadia...quer dizer Gabriella. – ela pareceu ignorar o que eu havia falar e apenas continuou a falar.
Gabriella – Já soube da minha festa de volta as aulas?
- não acabei de chegar no colégio.
Gabriella – bom ficou sabendo agora, as 20:00 sábado na minha casa gatinho. – ela falou mandando um beijo no ar e saindo rebolando dali, nossa como ela me dava nojo. Fui tirado dos meu pensamentos por Alex.
Alex – vai à festa dude?
- não sei, e você? – falei o fitando.
Alex – tava pesando em ir e convidar Annalu. – quando ele falou isso arregalei meus olhos, senti meu sangue ferver, serrei meu punho, eu não podia está com ciúme, cara eu mal a conhecia o que está acontecendo estou confuso.

Continua>>>

Demorei mas está ai, eu não postei ontem porque eu tinha um festa do pijama e tinha esquecido xoxox, bom mas espero que tenham gostado do capitulo.
Comentem ♥


14 de nov de 2012

Desculpas lindas



Gatinhas eu sei que prometi postar um capitulo quando tivesse 7 comentários  e bom eu não fiz isso (me odeio por isso), mas é que tive um probleminhas para escrever o capitulo, já eu o escrevo no word primeiro antes de postar aqui, também a Vah e Mila não puderam me ajudar então esse capitulo vai ser escrito só por mim.
Eu estou escrevendo ele, acho que a noite eu posto o mesmo.

Beijos lindas e desculpa mais uma vez.




6 de nov de 2012

The Only Excepition capitulo 7 - Momentos perfeitos



"Amor é encontrar uma coragem dentro de si, que você nem sabia que tinha."


Eu levantei rápido de cima de Austin e vi minha tia, ela olhava apavorada para nós dois, claro quem não ficaria ao se deparar com dois jovens caídos no chão um por cima do outro.
Austin se levantou e falou olhando para minha tia.
Austin – Annalu caiu por cima de mim depois de escorregar no ketchup.
Mandy – espero que tenha sido só isso mesmo. – ela nos olhou um pouco reprovador.
Austin antes de subir de novo me olhou e sorriu, apenas o vi subir as escadas cantarolando algumas musica do Justin Bieber, e bem ele tinha uma bela voz.
Logo senti o olhar de tia mandy sobre mim, eu a olhei e a mesma me encarava seria, parecia querer uma explicação para o que ela viu, como não falei nada ela disse.
Mandy – então qual sua versão?
- do que está falando. – fiz-me de desentendida.
Mandy – não se faça de distendida mocinha, o que acabei de ver foi o que?
- não foi nada, eu apenas cai e ele tentou me ajudar e acabou no chão junto de mim, só isso.
Mandy – todo bem vou acreditar em você, ate porque se algo estivesse eu apoiaria Austin é um bom garoto, gosto muito dele. – ela falou e sorriu largamente, se dirigindo com algumas sacolas ate o balcão, fiquei a observando ate ouvi-la falar.
Mandy – me ajuda com as comprar querida?
- claro. – respondi prontamente indo ate ela e a ajudando a guardar as compras.

Austin on

Meu Deus, aquela garota desajeitada... Fui tentar ajudá-la e ela cai em cima de mim, mais eu gostei... Gostei de ver aqueles olhinhos assustados me olhando, de sentir seu corpo e sua respiração ofegante junto a minha... Mais espera o que ta acontecendo comigo? Será que gosto dela?
Entrei no quarto de Robert com esses pensamentos e sem perceber eu estava cantando, logo que entrei os garotos me olharam assustados e eu esquecendo que estava todo sujo pergunto:
 - o que? Porque estão me olhando assim? 
Alex se levanta se aproximando de mim dizendo:
Alex- o que aconteceu lá em baixo?
 – não aconteceu nada. Porque deveria ter acontecido alguma coisa?
Alex – cara olha o seu estado.
Robert - e ouvimos barulhos estranho vindo de lá de baixo... Ta tudo bem?-disse Robert entrando na conversa
 – claro que ta tudo bem... Porque não estaria? – eu disse dando umas risadinhas tentando disfarçar
Alex – e a água que você foi buscar?
 – eu bebi na cozinha.
Alex – e seu copo? Cadê? – disse se aproximando mais de mim com cara de desconfiado
Eu olhei pra minhas mãos lembrando que tinha o deixado cair por causa do acorrido com isso eu fechei os olhos com uma cara tipo: “aé esqueci ele lá em baixo” e disse:
- ficou lá em baixo. Galera vou pra casa tomar um banho... Até mais – disse saindo automaticamente sem olhar pra trás.

Annalu on

Tudo aconteceu tão rápido que não tive como evitar fomos, contudo pro chão e quando percebi estava sendo observada por uns olhinhos brilhantes, eu fiquei tão nervosa que acabei levantando e dando de cara com minha tia nos encarando, meu Deus que vergonha...Mal cheguei aqui já to dando trabalho...Olha o que eu fiz na cozinha...
Assim que entrei na cozinha com as compras acompanhada por tia Mandy me deparei com o estrago que tinha feito então tratei logo de dizer:
Annalu – pode deixar que irei arrumar tudo tia, desculpa pela bagunça
Mandy – ta tudo bem, querida, depois eu limpo isso.
Annalu – de jeito nenhum... Fui eu que fiz a bagunça, eu que irei limpar.
Mandy – sempre teimosa... Tudo bem então se isso te faz se senti melhor...
Eu concordei com a cabeça e coloquei as compras em cima da mesa, assim que acabei fui arrumar o que tinha feito... Estava abaixada de costas para a sala (que dava trajeto a cozinha) estava esfregando meu olhos por conta do cansaço quando abro meus olhos do de cara com umas mãos me ajudando,olho pra cima surpresa e me deparo com aqueles olhos que tanto me hipnotizava, exatamente, era Austin que estava ali agachado em minha frente com um pano na mão limpando eu então me levanto rápido e pergunto curiosa e surpresa ao mesmo tempo:
- o que você ta fazendo?
Ele então se levanta, ri e diz: - to te ajudando com isso.
- eu não preciso de ajuda.
- ah, mais é claro que precisa – olhou ao redor, me fazendo olhar também estava uma bagunça e até que uma mãozinha não iria ser nada mal...Fui tirada de meus pensamentos com ele olhando e rindo pra mim, será que tava com cara de boba?
Austin - então... Vai me deixar te ajudar ou não?
Annalu – ok, ok você pode me ajudar =} – com isso ele sorriu e se aproximou o que me fez perceber sua camisa transparente por causa da água que havia derramado em nós dois e eu fiquei ali o observando até o mesmo perceber o meu ato e se levantar fazendo nossos corpos ficarem próximos e ele pergunta:
- aconteceu alguma coisa?
Eu percebendo nossa proximidade fico nervosa novamente e respondo gaguejando um pouco: - n-não, na-da - ele ri ao perceber o meu estado e se aproxima ainda mais, então vou chegando meu corpo pra trás até encostar totalmente na pia e ele anda mais uns passos pra frente também querendo continuar bem próximo, juro pra vocês eu pensei que iríamos nos beijar... Então vou fechando meus olhos bem lentamente... Quando der repente sinto Austin passar alguma coisa no canto da minha boca então abro um olho e me deparo com ele rindo levantando um pano até que diz:
Austin – tava sujo.
Eu confusa pergunto: - o que tava sujo?
- sua boca.
Foi ai que lembrei que tinha comido um pedaço de chocolate que tinha na geladeira para tapear a fome:- Ah...- disse limpando a boca um pouco desapontada e envergonhada ao mesmo tempo.
Nós ficamos lá limpando e quando finalmente acabamos Austin disse:
- prontinho... Ta tudo limpo
- é... Finalmente terminamos. Muito obrigada pela ajuda Austin
- de nada. Até que foi divertido ficar aqui com você
- foi? – pergunto um pouco surpresa e tentando esconder o entusiasmo
- Aham...então to indo...vou tomar um banho e descansar um pouco, limpar cansa.– disse ele rindo o que me fez rir também
- verdade... Vou fazer o mesmo... E amanhã começa as aulas...
- aé tinha até me esquecido desse detalhe... Tchau Annalu. -  ele disse me dando um beijo e saindo.
Eu o fiquei o observando sumir, logo que ouvi a porta ser fechada, eu me mexi e subi as escadas, quando  cheguei ao andar de cima, encontrei o outro garoto, ele tinha um cabelo parecido com o do Austin, ele sorriu pra mim e falou.
- foi um prazer te conhecer linda. – eu sorri e falai.
- o prazer foi meu Alex né? – falei torcendo para que tivesse acertado seu nome.
- isso Alex ao seu dispor. – ele sorriu sedutor, e logo seguiu o caminho ate as escadas, eu apenas o observei sumir quanto descia as mesmas.
Então quando ele sumiu segui meu caminho de novo para o meu quarto, logo já estava dentro do banheiro, me despi e liguei o chuveiro, e flashas do acontecido repassavam na minha cabeça, como ele podia ser tão perfeito, e como ele pode me fascinar assim em tão pouco tempo?
Fiquei meu banho todo pensando nele, sai do banho e fui direto para minha mala que ainda estava feita e pus uma roupa confortável, e fiquei no meu quarto deitada na cama e logo adormeci, e para variar sonhei com ele.

Continua>>>

Mais um capitulo suas lindas, espero que tenham gostado.

7 comentários para continuar...


4 de nov de 2012

The Only Excepiton capitulo 6 - Sentimentos confusos



"O amor é irracional, quanto mais você ama alguém, menos tudo faz sentido!" 


Logo que Austin (nossa que nome lindo enfim) logo que ele virou para seguir com um amigo que havia  lhe chamado eu fiquei  lá parada sem reação alguma, eu não sei o que era ou melhor na verdade eu sei são  aqueles olhos verdes  hipnotizastes. Logo que “acordei” daquele trance percebi que estava que nem uma idiota empacada no meio da calçada, decidi logo seguir para casa eu não conseguia tirar aquele garoto da minha cabeça milhões de perguntas se passavam pela minha mente. “Quando eu o verei de novo?” “Será que eu o verei novamente?”(Nanaa são milhões de perguntas mas só pensei nessas kk’). Bom cheguei em casa e parecia que não havia ninguém por aqui eu gritei pelo nome de Robert e da tia Mandy mas nada ninguém respondia pensei comigo mesma devem ter saído vou aproveita e tomar um bom e longo banho enquanto subia as escadas comecei a ouvir risadas na verdade gargalhadas e por sinal muito gostosa e contagiante ao mesmo tempo elas vinham do quarto do Robert decidi entrar para ver o que estava acontecendo e quando vejo aquela cena eu fico meio que assustada por que haviam três garotos pulando na cama e se batendo acho que de brincadeira enfim pareciam uns retardados mas uns retardados muito  lindos por sinal, a única reação que eu tive foi perguntar o que estava acontecendo.
Annalu- Será que da para me explicar o que significa isso Robert é só a sua mãe sair de casa que isso aqui vira uma zona. -  Falei, ou melhor, gritei para que eles me ouvissem, assustados todos caem sentados na cama e abaixam a cabeça como se fossem umas criancinhas que acabaram de levar bronca por fazem alguma besteira essa cena foi muito engraçada.
Robert- Nossa Annalu que susto você nos deu achei que era a minha mãe. Ele falou dando um suspiro de alivio, enquanto os outros apenas me fitavam eles não tiravam os olhos de mim pude sentir meu rosto ardendo de vergonha, mas espera eu conheço aquele garoto era ele nossa no meio dessa confusão não tinha notado direito era o Austin ele é amigo do meu primo??? Não estou acreditando que mico, fui interrompida dos meus pensamentos por uma voz doce e sedutora.
Austin- Ei desculpa ae a gente não estava fazendo bagunça só se divertindo. - Ele falou me encarando eu não suportava olhar nos olhos dele.
Annalu- Esta tudo bem eu só achei meio estranho, mas a tia Mandy deixa vocês se “divertirem” desse jeito?  - Logo o outro garoto respondeu mais rápido do que eu esperava.
Alex- Mas é claro ela já está acostumada com isso espera mas quem é você eu não to lembrado  do Robert ter alguma irmã. - Ele me perguntou com uma das sobrancelhas arqueadas logo Robert me apresentou.
Robert- Ah galera eu já tinha falado a vocês que a minha prima estaria vindo morar aqui comigo ainda bem que vocês prestam atenção no que eu falo né.  - Ele falou fazendo carinha tristonha, mas com um sorrisinho no canto da boca.
Alex- ei mas você não falou que ela era tão gata assim Robert. - Quando aquele garoto disse aquilo eu tive vontade de me enterrar no chão de tanta vergonha.
Auntin- Ei espera mas eu já te conheço. -  Ele falou se aproximando mais de mim, -  ei você é a garota que se esbarrou em mim a gora pouco, ah que bom que ele lembro né depois de meio ano sinal de que eu não tive nenhuma importância para ele =( e eu ainda fico alimentando esperanças ah eu sou uma idiota mesmo .

Eu sorri tímida mais meio triste e disse: - é sou mesma...Bom, vou indo garotos...Foi um prazer conhecê-los.
Depois que saí do quarto de Robert fui direto pro meu e o mais depressa possível fechei a porta não estava acreditando que o Austin era amigo do Robert e de descobrir que ele não dá a mínima pra mim...Com esses pensamentos entrei no banho, me vesti e fui a cozinha comer alguma coisa, pelo caminho pude escutar as risadas e gritos dos garotos que agora pareciam estar jogando vídeo game pelos gritos...
Desci as escadas indo em direção a cozinha,fui pegando os ingredientes pra fazer um sanduíche natural,enquanto estava colocando os ingredientes escuto a voz de Austin o que me deixa nervosa fazendo com que pensamentos nascessem em minha mente: "olha a voz dele, tão perfeita..." "não para o que eu to fazendo? eu acabei de conhecer ele...aliais,eu não sei nada dele...só sei que ele mexeu comigo...aff Annalu,como você é boba,um garoto como o Austin não iria querer nada com você, uma menina que ele acabou de conhecer" nisso os ingredientes já tinham entornado na minha roupa,no chão e na pia.
~ uns minutos antes no quarto com os meninos ~
Austin - galera, minha água esquentou vou dá uma passadinha na cozinha...Querem alguma coisa?
Robert/Alex - não, não cara.- disseram vidrados na tv por conta do vídeo game
Austin foi até a cozinha com o copo de água deparando-se com Annalu, ela parecia estar distante até que percebeu que as coisas que estavam em suas mãos estavam caindo pelo chão,correu para mais perto dela e diz:
Austin - precisa de ajuda? - com isso Annalu se assusta dando um passo pra trás, escorregando no catshoop [não sei escrever] que estava no chão, escorrega e cai em cima de Austin fazendo assim o com que o copo que estava na mão de Austin caísse e derramasse água nos dois também os deixando com os corpos colados.
- vocês está bem. – ele falou me fitando.
Eu mal podia olhar em seus olhos ainda mais responder, logo fixamos nossos olhares, ele olhava fundo em meus olhos e eu vice-versa, logo começamos a aproximar nosso rostos, e quando íamos nos beijar alguém grita.
- o que está acontecendo aqui?

Continua>>>

OH MY AUSTIN quem será???
Comentem.

5 comentários pra continuar

Vocês viram que temos mas um colaboradora no blog a Vanessa (a conheça), ela e a Maíra que fizeram essa capitulo então créditos a essa lindas =). Ah o finalzinho as ultimas 5 linhas são minhas hshashashas', mas bem o próximo capitulo eu vou escrever mais.



1 de nov de 2012

The Only Excepiton capitulo 5 - O garoto...



"Sonho é algo que preenche o vazio interior. Algo que, caso vire realidade, fará toda a dor ir embora."

Robert On

Errei em relação a Annalu, ela definitivamente não era mais a garota chata, bom tenho uma grande certeza de que ela nunca foi, que nossas desavenças no passado eram coisas de crianças.
Bom, também notei que ela não era mais a garota gordinha, posso ate dizer que ela estava linda, seus olhos verdes parecem ter ficado mais intensos, seu cabelo agora passava do meio das costas, e seu corpo era esquio, o seu sorriso continuava o mesmo, um pouco escândalo, mas contagiante.
Depois de nos cumprimentarmos, ficamos conversando na sala, enquanto minha mãe fazia o almoço, que pelo jeito seria comida congelada, alguma pizza pelo cheiro.
Annalu – bom como anda a vida Robert?
- indo.
Annalu – indo? Nenhuma emoção?
- bom nada.
Annalu – e sua namorada? Melissa não é?
- não existe mais nada entre mim e Melissa.
Annalu – porque? – ela perguntou espantada.
- aconteceram coisas.
Annalu – coisa? – ela perguntou
- sim coisas. – falei olhando a tv, onde passava um comercial de algo inútil para vida das pessoas, mas que elas sempre compravam por conta da onda de consumismo que afetava a metade da população do país.
Annalu aproximou mais de mim e falou.
Annalu – fico feliz, que aconteceram coisas, eu não gostava de Melissa.
- você e meio mundo não gostavam dela. – eu sorri fazendo a mesma soltar uma gargalhada.

Ouvi minha mãe nos chamar para almoçar, levantei do sofá sendo seguido de annalu, quando chegamos à sala de jantar, a mesa estava posta com três lugares, como meu pai nunca estava em casa, quase sempre eu e minha mãe aloçavamos juntos, mas isso sempre em fins de semana, pois nos dias da semana eu sempre almoço com Alex ou Austin, minha mãe sempre almoça no centro da cidade, por conta do seu trabalho de Advogada.
Era estranho ter bastante gente em casa, mas eu teria que me acostumar.
Sentamos e minha mãe trouxe a pizza, e logo voltou a cozinha novamente  entranhei, logo ela apareceu com uma pequena panela e pôs sobre a messa perto de Annalu, tirou a tampa e falou.
Mandy – como sei que ama comer pizza com arroz resolvi fazer um pouco pra você, não sou muito boa com isso, mas tentei. – ele sorriu olhando annalu que sorria mais ainda.
Eu olhei aquela cena um pouco surpreso e logo soltei.
- Pizza com arroz?
Annalu – é bom, bom pelo menos eu gosto. – ela falou enquanto se servia um fatia de pizza e um pouco de arroz, bom ela não é uma pessoa normal, qual a pessoa que come pizza com arroz? Bom só annalu. (Autora on~ bom não é só ela, eu também amo pizza com arroz, e sim sou estranha ~Autora off).

Austin On

- isso está incrível tia Michelle. – alex falou colocando o ultimo pedaço de lasanha que continha em seu prato na boca, minha mãe sorriu e agradeceu.
Alex sempre amou a comida da mama, como todos que já a provaram, era incrível como ela cozinhava divinamente bem.

Depois que comemos, eu ajudei minha mãe a tirar a mesa, logo que terminei eu subi para meu quarto acompanhado de Alex. Entramos no mesmo e Alex logo se jogou na minha cama, era incrível como ele adorava fazer isso, eu o fitei e falei.
- tenta não quebrar, eu concertei, pois da ultima vez que você se jogou nela acabou a quebrando.
Alex – calma cara não estou tão gordo assim.
- não sei não, olha essa barriga saliente ai meu caro. – ele encarou a barriga e logo levantou e foi ate a frente do espelho e falou levantando a camisa e analisando a barriga.
Alex – você acha mesmo que estou gordo. – ele olhou pra mim, eu apenas soltei uma gargalhada, Alex era mesmo uma figura.
Depois que consegui controlar meu ataque de risos eu olhei pra ele que ainda me fitava serio como se dissesse “não achei graça”, e falei.
- estava brincando Alex, sabe você não está gordo..
Alex – a não – ele sorriu e então acrescentei.
- está obeso. – e comecei a rir novamente.
Ele deu uma risada sem graça e me tacou um travesseiro, enquanto eu tentava rir e respirar ao mesmo tempo, uma tarefa um pouco difícil, digamos assim.

Annalu on

Depois que acabei de almoçar resolvi dar uma volta pela rua que há muito tempo não via, então, assim fiz, peguei meu celular junto com os fones e saí quando do nada meu celular faz um barulhinho estranho então me distraio totalmente e esqueço que ainda estou andando quando der repente sinto que esbarrei em alguém derrubando uns DVDS que estavam em sua mão, eu o mais rapidamente possível me abaixo para ajudá-lo:
Annalu – nossa, me desculpa não tinha visto você – digo olhando diretamente nos olhos e entregando alguns DVDS.
Ele era lindo com seus olhos verdes, cabelos castanhos e um sorriso...o sorriso mais lindo que já vi em toda minha vida,era incrível,eu estava hipnotizada com aqueles olhos e aquele sorriso...
Xxxxx – ta tudo bem... Não foi nada - disse sorrindo
- mais o que você tava olhando no celular que te tirou toda atenção?
Annalu – meu celular fez um barulho estranho e tava aqui igual louca tentando arrumar
Xxxxx – e conseguiu?
Annalu – não...
Xxxxx – posso ver? – ele pediu e eu o entreguei fazendo nossas mãos se encostarem, eu estremeci.
- prontinho.
Annalu – nossa, obrigada... Mais o que era?
Quando ele ia responder um garoto no outro lado da rua o interrompe dizendo:
Xxxxx – Austin anda logo cara!
 Austin – to indo cara, espera!
- bom, tenho que ir...Você mora por aqui?
Annalu – sim, me mudei hoje pra cá...
Austin – nos vemos então. Tchau - Eu balancei a cabeça positivamente e acenei
Austin... Esse é o nome daquele lindo garoto.

Continua>>>

Bom suas lindas ai está mais um capitulo. Me desculpem pela demora, estava ocupada com coisas da escola, ainda bem que a linda da Vanessa me ajudou com esse capitulo, porque eu tava tão estressada que não consegui escrever.
Bom espero que tenham gostado =).
Sigam o blog e comentem muito.

29 de out de 2012

The Only Exception capitulo 4 - Robert...



"Feche os olhos, mais deixe a mente bem aberta." 


[...]

Ficamos mais alguns minutos conversando, ate tia mandy falar
Mandy – bom agora precisamos ir, emma quer uma carona?
Emma – muito obrigada mandy, minha mãe está vindo me buscar. – ela sorriu verdadeiramente revelando suas pequenas covinhas .
Nos despedimos de emma, e fomos ate o estacionamento, em quanto caminhávamos minha tia me falava que estava tão feliz de eu ter vindo morar com ela, a mesma falou que Robert estava tão animado com minha chegada, me assustei com  isso, pois pesava que ele achasse que eu fosse uma chata, sempre foi assim desde crianças, mas admito que amo demais aquele moleque, que adorava atazanar com minha vida, me despertei de meus pensamentos quando chegamos ao lado do carro de Tia Mandy, ela abriu o porta malas e eu pus minhas bagagens ali, logo entrei no carro junto dela.
Passamos o caminho ate sua casa conversando sobre como seria minha nova vida aqui em San Antonio.

[...]

Uns vinte minutos depois, tia mandy parou em frente de uma comum casa americana, mas que eu achei sempre incrível, o jeito como eram construídas, o seu formato era diferenciado de uma típica casa brasileira.
Tia mandy tirou minhas malas de dentro do carro, e logo peguei uma e comecei a levar ate para dentro da casa, um sorriso já estava estampado em meu rosto, eu estava muito feliz de estar de novo nesse lugar, esse lugar onde vivi momentos muito felizes.
Tia mandy abriu a porta, logo dando passagem para mim entrar, então o fiz, logo fitei a sala, do mesmo jeito que me lembrava, a penas as cores eram diferente dessa vez, acho que tio David convenceu tia Mandy de tirar o vermelho vivo das paredes, pois agora elas se encontravam pintadas e um amarelo claro, tão claro que era quase gelo.
Tia mandy me levou ate onde seria meu quarto, eu pus minhas malas nele, e decidi que arrumarias minhas roupas no guarda roupas mais tarde, desci as escadas novamente, e não encontrei tia mandy na sala, deduzi que estivesse na cozinha andei ate lá, e lá a encontrei, ela me olhou e falou.
Mandy – bom Robert não chegou ainda.
- e onde ele foi tia?
Mandy – num amigo.
- hum. – falei pois não tinha o que responder.
Logo ouvi a porta ser a Berta e então corri, quando vi Robert pulei em seu colo, o mesmo me abraçou, bem o que me parece ele não é mais aquele moleque chato.
Logo que me soltei de seus braços falei.
- estava com saudades seu chato.
Ele me olhou confuso e logo falou.
Robert – Annalu??
- eu mesma, ao vivo e a cores- falei girando enquanto soltava alguns risos, ele me fitou confuso e falou.
Robert – o que houve com a outra Annalu?
- refere-se a annalu gordinha? – ele assentiu então continuei. – longa historia, qualquer dia te conta, mas me diga como está?
Robert – surpreso em ter você aqui, quer dizer estou feliz, mas bem pensei que continuasse sendo aquela pirralha chata. – pela primeira vez ele sorriu, eu sorri e falei.
- bom pensei que ainda continuasse sendo aquele moleque chato de sempre. – nos gargalhamos, e logo tia mandy entrou na sala e falou.
Mandy – está atrasado Robert. – ela falou o advertindo.
Robert- desculpe-me mãe, mas demoremos muito para editar o vídeo.
Mandy – tudo bem, só queria que estivesse em casa quando Annalu chegasse.
Robert – desculpe annalu. – ele falou me fitando eu sorri e falei.
- não tem problema Rob.
Robert – ainda insiste em me chamar assim Jub.
- você também. – falei gargalhando fazendo todos na sala também gargalharem.
Bom , ele não era mais o garotinho irritante, que adorava quebrar os meu brinquedos, ele havia crescido e se tornando um garoto incrível.

Continua com 3 comentários.

Bom sei que demorei pra postar nesse blog é que, eu fique ocupada, tipo muito.
Bom a prova disso é que estou atrasadas com os capítulos de Love Is Real? e A Thousand Miles, bom mas prometo não fazer mais.
Bom eu to sabendo que tem umas onde de lindas lendo o meu blog, mas fiquei triste de saber que elas não comentam, só recebi 3 comentários no capitulo passado, isso não ajuda a escrever sabia? me deixa triste, sei que poucas pessoas conhecem o Austin e tal, mas não custa nada ler, vai que você se intertece por ele.
Bom, mais uma coisinha, eu fiz uma parceria com a minha divã Victória, a fic dela é super diva e se você quiser ler está aqui (www).
Comentem gatas *-*

25 de out de 2012

The Only Excepiton capitulo 3 - Querida San Antonio



"Estou tão feliz. Nunca senti isso antes. Estou exatamente onde queria estar."


Robert On

- bom caras tenho que ir,  minha prima já deve ter chegando - falei logo que terminamos de editar o vídeo, logo Alex levantou e falou.
Alex – promete me apresentar ela?
Austin – a garota mal desembarcou aqui é você já está querendo dar em cima dela Alex.
Alex – não é isso, é só que...
- claro que apresento ela pra você, assim me vejo livre de ter que aturar ela. – eu falei o interrompendo.
Alex sorriu e eu falei.
- estou indo, vai ficar ai Alex?
Alex – sim vou comer a deliciosa comida da tia Michelle. – ele sorriu travesso, e eu ri dele, soltei um “ate mais” e sai do quarto, desci as escadas e encontrei tia Michelle pondo a mesa, ela sorriu e falou.
Michelle – pensei que ficaria para o almoço, fiz Lasanha de atum. – eu sorri e a respondi.
- não posso ficar tia Michelle, minha prima Annalu estará chegando de viajem hoje, prometi a minha mãe que estaria em casa para recebê-la, deixa pra próxima.
Michelle – tudo bem querido, diga a Mandy que mandei um beijo.
- pode deixar, tchau tia.
Michelle – tchau querido.
Eu sai da casa do Austin e percorri o caminho de volta a minha casa. Logo que entrei fui atingido por uma garota pulando em meu colo e gritado meu nome ate fiquei feliz, pois era uma GAROTA e bom ela praticamente se jogou nos meus braços, isso é uma coisa boa não é? Bom pra mim é ótima.

Annalu On

O vôo foi tranquilo, claro eu dormi o tempo todo, fui acordada por uma aeromoça com um sorriso de orelha a orelha que ate dava medo desci calmamente do avião, e logo foi a procura da minha mala, logo a encontrei, tive uma pequena dificuldade de tirá-la da esteira mas logo foi ajudada por uma menina loirinha, sorridente e um pouco mais alta que eu.
Eu e ela conversamos muito enquanto eu esperava minha tia, o nome dela era Emma e tinha minha idade, ela não era nada tímida, falava comigo como se me conhecesse a anos, e eu gostei nisso nela.

Logo minha tia chegou, e antes de cumprimentá-la ela falou.
Mandy – Emma o que faz aqui?
Emma – acabei de chegar de L.A
- vocês se conhecem? – perguntei interrompendo as duas.
Minha tia me olhou e falou.
Mandy – Annalu como você está linda minha querida. – ele sorriu e eu devolvi um sorriso na mesma intensidade, ela logo me abraçou e logo disse.
Mandy – respondendo sua pergunta, Emma é filha de minha melhor amiga. – ela sorriu olhando Emma que também tinha um vasto sorriso em seu pequeno rosto claro.
[...]


Continua com 3 comentários.
Obrigada as 4 linda que comentaram no capitulo passado.
e ai o que estão achando da fic??

23 de out de 2012

The Only Exception capitulo 2 - O embarque um pouco conturbado



"O fato é... Cada um de nós é a soma dos momentos que já tivemos. E de todas as pessoas que já conhecemos. E são esses momentos que se tornam nossa história."


Annalu On

Quando chegamos no aeroporto eu fui logo fazer meu chek-in, quando terminei sentei-me junto de minha mãe. Logo senti meu celular vibrar dentro de meu bolso, eu o deslizei para fora logo fitando o numero em sua tela, o numero era desconhecido, eu atendi e logo uma voz rouca e um pouco familiar falou.
xXxX – Anna é verdade que você está indo embora?
Eu – Arthur??
Arthur- sim sou eu, mas me diga é verdade que está indo embora??
Arthur é o meu único amigo e bom como odeio despedidas  eu não o havia contado  sobre minha mudança.
Eu –e verdade Art.
Arthur – e você iria embora sem me contar?
Eu – você sabe muito bem que odeio despedidas, e seria muito triste me despedir de você.
Arthur- Bom você terá que fazer isso. Olhe para traz.
Eu virei-me e encontrei Arthur com seus lindos olhos verdes me fitando, eu sorri  para ele e corri ate o mesmo o abraçando, logo ele falou.
Arthur – pensou que sairia do país sem se despedir de mim?
Eu – sabes que não era minha intenção, odeio despedidas.
Arthur - tudo bem. Ainda bem que a Fer me falou.
Eu – como aquela nojenta sabia que estava indo embora?
Arthur – hey calma, ela é sua vizinha deve ter visto alguma coisa.
Eu – quer saber que ela  se foda.
Arthur – virou desbocada agora garota? – ele riu fazendo-me rir junto.
Logo uma voz feminina falar.
“passageiros do vôo 2236 com destino a San Antonio nos EUA queiram se dirigir ao portão de embarque 3”
eu olhei para Arthur e o mesmo me fitava triste, eu o abracei e falei.
Eu – hey vamos sempre manter contato – eu sorri o mesmo olhou nos meus olhos e falou.
Arthur – preciso fazer uma coisa antes de você ir. – quando ele terminou de falar só senti seus lábios colados nos meus, no começo eu fiquei assustada, pois estava beijando meu melhor amigo, logo ele pediu passagem com a língua e eu cedi, ele já estava com suas mãe em volta da minha cintura quando me toquei do que estávamos fazendo e me separei dele, eu o fiquei observando espantando com minha mão em meus lábios, ele abaixou a cabeça e sussurrou.
Arthur – desculpa, eu não devia ter feito isso, mas eu gosto muito de ti, desde o dia em que nos esbarramos no corredor da escola. Desde aquele dia você não sai da minha cabeça, eu nunca tive coragem de te contar isso mas você está indo embora eu não poderia deixar você ir sem te contar.
Eu – eu não sei o que dizer, você é meu melhor amigo e ... – fui interrompida por uma voz avisando que essa era a ultima chamada para o meu vôo , logo minha mãe falou.
Ana – vamos querida se não você vai perder o vôo. – eu a olhei e depois voltei meu olhar a Arthur, o mesmo tinha o olhar triste, eu me aproximei dele e o abracei e falei.
Eu – tchau Art. – e caminhei ate o portão de embarque, logo ouvi Arthur gritar.
Arthur – NÃO VOU DESISTIR DE VOCÊ. – eu o olhei e o mesmo derramava tímidas lagrima, eu voltei a olhar para frente e logo senti uma lagrima percorrer minha face, minha mãe, me abraçou e falou.
Anna – vai ficar tudo bem minha filha, face uma boa viajem, eu re amo querida.
Eu – também te amo mamãe. – eu me separei dela e andei ate o portão fitei pela ultima vez a figura de Arthur, agora eram visíveis suas lagrimas.
Ele abaixou a sua cabeça, foi a primeira vez que o vi chorar e era estranho o vê-lo assim, pois ele sempre tinha um sorriso no rosto.  



Oi suas lindas, e ai o que acharam?
Comentem e sigam o blog 
 Continua com 3 comentários =)